Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Franklin Martins

No meio da correria de uma tarde de quarta-feira no Congresso Nacional o jornalista Franklin Martins parou para conceder uma rápida entrevista a este blog.

Blog do Braga: Franklin, você se declara um homem de esquerda e já não é nenhum garoto. Você tem algum problema?

Franklin Martins: Eu não. Por causa do que o Lula falou? Acho que foi uma besteira dele.

BB: Mas ainda há esquerda?

FM: Sim, claro. São formas diferentes de ver o mundo. A direita acha que o mundo muda naturalmente, a esquerda acha que tem que lutar para mudar. A direita acha que existem desigualdades porque uns são mais capazes do que outros, a esquerda acredita que há desigualdades porque uns têm mais oportunidades do que outros e que todos devem ter as mesmas oportunidades. Claro que ainda existem a esquerda e a direita.

BB: Como homem de esquerda você participou da resistência ao regime militar. Muitos dos que fizeram isso acabaram indo para a vida pública. Você pensou em fazer o mesmo?

FM: Eu tenho uma vida pública como jornalista.

BB: Mas pensou em ser deputado ou alguma coisa assim?

FM: Eu fui candidato a deputado no fim da ditadura, mas como uma forma de lutar contra o regime. Hoje não penso em ser deputado nem nada neste caminho.

BB: Você participou, ao lado do hoje deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), de um dos momentos mais emblemáticos da resistência que foi o seqüestro do embaixador americano. Como é sua relação com o Gabeira hoje?

FM: É uma relação formal. Nunca tive uma relação realmente boa com ele e ficou um pouco pior depois que ele escreveu aquele livro "O Que É Isto Companheiro?".

BB: Por que?

FM: Porque é um livro desonesto.

BB: Em que pontos?

FM: Ele tentou passar a impressão de que tinha alguma coisa contra aquilo tudo quando, na verdade, não tinha.

BB: Tem a questão do texto que foi lido na TV que ele disse ter escrito.

FM: E ele sabe que não foi isso que aconteceu. Ele passou a impressão errada sobre alguns companheiros que já não estão aqui para se defender, o que é, no mínimo, pouco solidário.

BB: Agora falando sobre jornalismo. O que você achou da postura da imprensa durante a crise política, durante a eleição?

FM: Olha, eu dei um entrevista a revista "Caros Amigos" e o que penso sobre isto está lá. Agora, a pergunta importante na crise era: De onde veio o dinheiro do valerioduto e pra onde foi este dinheiro? Se soubéssemos isto saberíamos o que aconteceu realmente, mas a imprensa não tem a resposta para esta pergunta. A imprensa fez um bom trabalho? Não.

BB: Durante essa crise do valerioduto a imprensa bateu no governo Lula de todas as formas possíveis e você nem tanto. Acabou saindo da Globo. Quem não fala o que o dono da empresa quer acaba indo pra rua?

FM: Não, hoje não falo o que o dono da imprensa quer e não estou desempregado. Não bati como outros porque me prendi apenas aos fatos. Fatos que eram sérios, graves, que tinham de ser denunciados e investigados. Não precisava ficar tentando arrumar um fato novo a cada semana para manter aquele clima de crise. E olha, não vou ficar falando mal da TV Globo não, trabalhei lá por oito anos e meio e foi bom enquanto durou.

BB: Muitos, como o "Anão de jardim", lhe acusam de fazer parte de uma imprensa chapa-branca.

FM: Nem sou imprensa chapa-branca no governo Lula, nem fui no governo Fernando Henrique, nem fui no governo Collor. Só não sou parte da imprensa marrom, nem gosto de linchamentos públicos.

BB: Obrigado pela entrevista.

FM: De nada.



Repito que este blog está aberto a quem quiser principalmente a quem for citado.

Comentários

Anônimo disse…
Que descrição mais rasteira do que é direita e esquerda... e ainda tem esse papo de valerioduto... como se ninguém soubesse de onde veio e pra onde foi esse dinheiro.
Anônimo disse…
Muito rasteira essa descrição de direita e esquerda. E ainda tem esse papo de Valerioduto, como se ninguém soubesse de onde veio e pra onde foi o dinheiro.
Eduardo Braga disse…
Por favor minha cara "nanda", diga de onde veio e pra onde foi o dinheiro do Valerioduto.
Fábio Farias disse…
gostei da entrevista, apesar do pouco tempo que parece que vcs tiveram
Unknown disse…
Exercendo a profissão!?Fcou muito bom querido!
Anônimo disse…
Dud´s...
Acho q assim vc vi longe...
Continue sempre com seus ideais e buscando a verdade...
Sabemos que a esquerda é o certo, mas tem gente q ainda precisa dessa prova e vc está aqui pra isso...
A entrevista foi ótima!!!
Bjss
Anônimo disse…
Pouco crível essa entrevista..

Salve a Internet!

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…